Revista Tríade

Tríade – Outras Perspectivas está no ar!

Neste número da revista Tríade: Comunicação, Cultura e Mídia, referente à segunda edição de 2018, diferentemente das edições anteriores da revista, decidimos entregar aos nossos leitores uma multiplicidade de teorias, vozes, objetos e inquietações. Afinal comunicar é mais que informar, é também deformar, desconstruir, multiplicar, provocar inquietações. Essa multiplicidade que acreditamos ser a característica mesma dos estudos no campo da
comunicação.
Este volume da Tríade traz em seu sumário dez instigantes reflexões em forma de artigo e uma resenha crítica. Feita, como já dito anteriormente, apenas de “Outras perspectivas”, o convite à leitura começa pela reflexão trazida por Dominique Gay-Silvestre, catedrática emérita de civilización hispanoamericana, professora da Universidade de Limoges, acerca da arte-terapia aplicada a índios do Canadá e Quebec em El arte(terapia) como resiliencia: el caso de los internados de indios em Canada y Quebec. E então, contagiado por essa leitura, o leitor vai ao encontro das reflexões sobre a questão do corpo, agora como discurso, em Corpos em desafi(n)o: sujeito e sentido na rede, por Newton Guilherme Vale Carrozza e Debora Cristine Ribeiro. Também como discurso é lida a Amazônia via ONGS em Amazônia e o poder simbólico das ONGS Transnacionais: análise dos sentidos discursivos nos textos institucionais do Greenpeace e WWF, por Jonas da Silva Gomes Júnior.
A multiplicidade ainda avança, convidando-nos a pensar sobre manifestações na rede, na esteira de Da sociedade em rede de cabos, para a mobilidade dos devices: perspectivas a partir da pesquisa TIC Domicílios por Moisés Cardoso, Tarcis Prado Junior e Franco Iacomini Junior; Estética do engajamento do Itaú na #instamission38 por Larissa Neves Araújo e Regina Gomes Souza em Voz na web: construções ideológicas e representatividade em vlogs LGBT+ no Brasil por Tomaz Affonso Penner.
É nesse conjunto de fios difusos que também se inserem discussões como a de Guilherme Profeta, que nos apresenta em Padrões discursivos na narrativa jornalística do New York Times sobre refugiados: uma abordagem baseada em corpus a crise de refugiados como uma questão sociogeográfica sobre mobilidade humana que excede fronteiras; e a de Luis Felipe Vieira de Abreu sobre o pensamento semiótico e comunicacional de Barthes em Roland Barthes contra Roland Barthes: o signo, da semiologia à semioclastia.
É também da multiplicidade de vozes e gêneros que o artigoAnálise semiótica da vinheta da telenovela ‘Verdades secretas’ de Geórgia Mattos e Tarcyanie Cajueiro Santos apresenta reflexões sobre a produção de sentidos na mídia televisiva. Finalizamos esta edição com a resenha de Rodolfo Medeiros Schian que nos apresenta criticamente o volume do historiador da arte alemão Hans Belting, Antropologia da Imagem.
Luciana Coutinho Pagliarini de Souza
Editora Chefe
Rodrigo Fontanari
Editor Executivo
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s